“Perfeição” é a quarta faixa do disco Descobrimento do Brasil, lançado em 1993 pela Legião Urbana, e tem como compositores Renato Russo (letra) e Dado Villa-Lobos (arranjos/música).

Vamos celebrar a estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja de assassinos
Covardes, estupradores e ladrões
Vamos celebrar a estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso Estado, que não é nação
Celebrar a juventude sem escola
As crianças mortas
Celebrar nossa desunião
Vamos celebrar Eros1 e Thanatos2
Persephone3 e Hades4
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade.

Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta de hospitais
Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras e sequestros
Nosso castelo de cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda hipocrisia e toda afetação
Todo roubo e toda a indiferença
Vamos celebrar epidemias:
É a festa da torcida campeã.

Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar um coração
Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado de absurdos gloriosos
Tudo o que é gratuito e feio
Tudo que é normal
Vamos cantar juntos o Hino Nacional
(A lágrima é verdadeira)
Vamos celebrar nossa saudade
E comemorar a nossa solidão.

Vamos festejar a inveja
A intolerância e a incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente a vida inteira
E agora não tem mais direito a nada
Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta de bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isso – com festa, velório e caixão
Está tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou esta canção.

Venha, meu coração está com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão.

Venha, o amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera –
Nosso futuro recomeça:
Venha, que o que vem é perfeição.

Para ouvir a música e ver o belo vídeo, só clicar no link:

1 Eros

Eros é o deus do amor. No entanto é muito mais que isso: Hesíodo, na Teogonia, o descreve como um deus primordial que nasceu do Caos, fundamental para a passagem do Caos ao Cosmo, ou seja, da desordem ao mundo organizado. Sua figura é o fator responsável pela unificação das forças divinas que regem os destinos dos homens e do universo.

2 Thanatos

Thanatos (Tanatos), é a representação da morte. Não é considerado uma entidade maléfica e representa nada mais, nada menos que a morte não violenta, ou seja, a passagem natural de desencarnação.

3 Persephone

Perséfone, também chamada de Prosérpina, é filha de Zeus e de Deméter, esposa de Hades, deus do mundo inferior. AS estações do ano regulam-se pela presença de Perséfone: outono e inverno representam a tristeza de Deméter, quando a donzela está no mundo inferior ao lado do marido; primavera e verão indicam que Perséfone está na companhia satisfeita da mãe.

4 Hades

Juiz dos juízes, deus das sombras e dos mortos: não chora nem sorri, pois sua palavra é sempre a final. É invisível ao mundo dos homens, assim como seu mundo, vedado aos olhos dos vivos, os quais só podiam vislumbrar pela experiência da fé, da imaginação e da filosofia.

Endereços das imagens

Imagem 1:

https://bit.ly/2HXDAPa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.